Olá, Bem Vindo(a)!

domingo, 12 de maio de 2019

MÃE FONTE DE VIDA


MÃE FONTE DE VIDA

Já se passaram anos... Puxa. Escrevi tantas coisas sobre minha mãe. Está se tornando “replay”, pois ela é Única.

Há sim algo distinto que eu possa compartilhar aos meus nobres amigos poetas, e às poetisas, isto é, depois da minha mãe tudo ficou muito diferente, uma chama que iluminava a família se extinguiu.

Acho que ficamos todos perdidos na escuridão, feitos uma nau que mal consegue avistar a luz no cume do farol; à deriva no mar.

Minha mãe não era somente Fonte de Vida, era a Alegria da casa, era o Porto Seguro para todos nós parentes, amigos (as). Íamos, mas sempre voltávamos ao Lar Materno. Onde nos perdemos quando ela se foi? Nossa união era por causa dela, creio que sempre foi, contudo, agora é sabido de tal correlação.

E como tudo mudou, radicalmente. É bem verdade que a vida se encarrega de propor seus próprios meios quando se perde a Referência dos pais, sobretudo a da mãe. No caso específico, a Indiferença prevaleceu, salvo, é claro, mínimas exceções.

Neste mês das Mães, sinto por não ter Boa Nova para contar; só saudades, só lamentos. Saudades do que ela representou de bonito e positivo em nossas vidas, Lamentos pelo fracasso de seu notório e pacífico Legado, visto que não é o que ela desejou, mas o que hoje se tornou: Desunião, Indiferença. Teria muito que tirar satisfações se porventura retornasse ao nosso meio.

Falta, é claro que ela faz. Um abismo se formou; uma queda sem fim. Então, não dá para falar de Mãe quando existe um Rombo no seio familiar, o qual roubou a essência de tudo o que se acreditava ser verdade e genuíno, e que na realidade foi uma peça, um teatro, uma ficção.

Agora, sabemos ser verídica a nossa condição, chegamos aos bastidores e à grande “sacada”; a “ficha” caiu. Ora, antes tarde do que nunca. Ao menos, basta de ilusões.

Restou apenas Lembranças do que foi verdade. Minha mãe foi verdade, sua história é real, menos a Autenticidade proposta pela família, infelizmente.

O epílogo da saga de Dona Maria faz-se aqui e agora. Não tem mais porque continuar. O que foi escrito permanecerá, e quem sabe atravessará gerações.

Adeus, minha mãe, e obrigado pela vida que, todavia, vale a pena viver.

Alcebíades Júnior – 02/05/2019.

Uma Lembrança de Mim para Você:

quinta-feira, 4 de abril de 2019

CARTA DO PADRE ZEZINHO EM RESPOSTA A UM EVANGÉLICO MAL INFORMADO

CARTA DO PADRE ZEZINHO EM RESPOSTA A UM EVANGÉLICO MAL INFORMADO
"Maria não pode nada.
Menos ainda as imagens dela que vocês adoram.
Sua Igreja continua idólatra.
Já fui católico e hoje sou feliz porque só creio em Jesus.
Você, com suas canções é o maior propagador da idolatria Mariana.
Converta-se enquanto é tempo, senão você vai para o inferno com suas canções idólatras..."
Paulo Souza, São Paulo - SP.
RESPOSTA ENVIADA PELO PADRE ZEZINHO
Paulo.
Paz no Cristo que você acha que achou!
Sua carta chega a ser cruel.
Em quatro páginas você consegue mostrar o que um verdadeiro evangélico não deve ser.
Seus irmãos mais instruídos na fé sentiriam vergonha de ler o que você disse em sua carta contra nós católicos e contra Maria.
O irônico de tudo isso é que enquanto você vai para lá agredindo a Mãe de Jesus e diminuindo o papel dela no cristianismo, um número enorme de evangélicos fala dela, hoje, com o maior carinho e começa a compreender a devoção dos católicos por ela.
Você pegou o bonde atrasado e na hora errada e deve ter ouvido pastores errados, porque, entre os evangélicos, tanto como entre nós católicos, Maria é vista como a primeira cristã e a figura mais expressiva da evangelização depois de Jesus.
Eles sabem da presença firme e fiel de Maria ao lado do Filho Divino.
Evangélico hoje, meu caro, é alguém que pautou sua vida pelos evangelhos e por isso respeita os outros e não nega Maria.
Pode haver diferenças, mas para ser um bom evangélico não é preciso agredir nem os católicos nem a Mãe de Jesus.
Você é muito mais antimariano do que cristão ou evangélico.
Seu negócio é agredir Maria e os católicos.
Nem os bons evangélicos querem gente como você no meio deles.
Quanto ao que você afirma, que nós adoramos Maria, sinto pena de você. Enquanto católico, segundo você mesmo afirma, já não sabia quase nada de Bíblia por culpa da nossa Igreja, agora que virou evangélico parece que sabe menos ainda de Bíblia, de Jesus, de Deus e do Reino dos Céus.
Está confundindo culto de veneração com culto de adoração, está caluniando quem tem imagens de Maria em casa ao acusá-los de idólatras.
Ora, Paulo, há milhões de católicos que usam das imagens e sinais do catolicismo de maneira serena e inteligente.
Se você usava errado teria que aprender.
Ao invés disso foi para outra Igreja aprender a decidir quem vai para o céu e quem vai para o inferno.
Tornou-se juiz da fé dos outros.
Deu um salto gigantesco em seis meses, de católico tornou-se evangélico, pregador de sua Igreja e já se coloca como a quarta pessoa da Santíssima Trindade, porque está decidindo quem vai para o céu e quem vai para o inferno.
Mais uns dois anos e talvez, de lá do alto de sua sabedoria eterna, talvez dê um golpe de Estado no céu e se torne a primeira pessoa.
Então talvez, mande Deus vir avisar quem você vai pôr no céu ou no inferno.
Sua carta é pretensiosa.
Sugiro que estude mais evangelismo e, em poucos anos, estará escrevendo cartas bem mais fraternas e bem mais serenas do que esta carta. Desejo de todo coração que você encontre bons pastores evangélicos.
Há muitíssimos homens de Deus nas Igrejas evangélicas que ensinarão a você como ser um bom cristão e como respeitar a religião dos outros. Isso você parece que perdeu quando deixou de ser católico.
Era um direito que você tinha: procurar sua paz.
Mas parece que não a encontrou ainda, a julgar pela agressividade de suas palavras.
Quanto a Maria, nenhum problema: é excelente caminho para Jesus.
Até porque, quem está perto de Maria, nunca está longe de Jesus.
Ela nunca se afastou.
Tire isso por você mesmo.
Se você se deu ao trabalho de me escrever uma carta para me levar a Jesus, e se acha capaz disso, imagine então o poder da Mãe de Deus!
De Jesus ela entende mais do que você.
Ou, inebriado com a nova fé, você se acha mais capaz do que ela?
Se você pode sair por aí escrevendo cartas para aproximar as pessoas de Jesus, Maria pode milhões de vezes mais com sua prece de mãe.
Ela já está no céu e você ainda está por aqui apontando o dedo contra os outros e decidindo quem vai ou quem não vai para lá.
Grato por sua carta.
Mostrou-me porque devo lutar pela compreensão entre as Igrejas.
É por causa de gente como você.
(Pe. Zezinho, scj)

sexta-feira, 8 de março de 2019

DESFILE DE POESIAS

DESFILE DE POESIAS

Vem chegando o Carnaval e chegada a hora da Conscientização
Não queremos notícias de morte, violência, estupro, cenas de degradação
Esperemos sorrisos, alegria, energia, contentamento
Nas ruas, nos bares, nas arquibancadas, nas casas a todo momento.

Não vejamos desfilar em nossa mente o desejo da depravação
Façamos igual a criança inocente que só busca brincadeira e animação
Confraternizar esse instante de interação, fazer amizades, trocar gentilezas
Desfilemos sim essas belezas com cultura e nobreza.

Neste ilustre ambiente artístico e teatral façamos estripulias
Rodopiemos, cantemos ao som da batucada, mas antes rezemos três Ave Marias
Um Pai Nosso, e aí sim, protegidos das más influências contemplemos alegorias
Que dão um show de criatividade nestes quatro dias.

Desfilar Poesias é o que na verdade cumpre o legítimo Carnaval
Tem letra, tem rima, tem sentido e sentimento afinal
Por isso é injusto tornar-se palco oportuno de sangue e desolação
Por conta de bebidas, negligência e desatenção.

Uma festa como outra qualquer que promove aglomeração pessoal
Encontro de gente de várias partes do mundo, nacional e internacional
Uma chance para praticar diversificação, trocar ideias e conhecimentos
Aproveitar, já que a vida é fazer sintonia com inúmeros talentos.

Alcebíades Júnior – 24/02/2019

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

LUUA WONDERFUL

Luua Wonderful

Dentre cores, poses e amores
Te vejo passar num filme
Que por tantas vezes
Insiste em te revelar
Para nunca mais parar.

Uma beleza diversa
Um tanto inacreditável
Me aflora os sentidos
Me faz contemplar
Meio que estático.

Um orgulho bom
Toma conta de mim
Sou feliz em mostrar
Alguém tão linda assim
Que enche meu coração
De terna emoção.

Nas exuberantes imagens
Fixo em cada detalhe seu
Sorrisos, tristezas, gestos
Teatral ou real
Mas é ali que está você
Marcante, estonteante.

Dou-me por satisfeito
Também privilegiado
Por ter perpetuado
Um carinho singelo
Porque quando eu quiser
Posso rever o que há de mais belo.

Alcebíades Júnior – 09/01/2019

sábado, 5 de janeiro de 2019

O SIGNIFICADO DO NATAL

O SIGNIFICADO DO NATAL

Natal é Oração. É bem mais do que presentes, bebidas e comidas. É, no mínimo, ocupar ao menos um minuto de seu tempo, dado aos preparativos Natalinos, à Oração. Quase ninguém Ora; só pensam no que vão presentear, no que vão comer, no que vão beber. Natal é festa em Família; nada de viajar para outros lugares senão ao encontro dela. Natal é Renovação, Nascimento e Ressurreição. Natal é morrer para o homem velho e ressurgir para o homem novo em Espírito e em Verdade, em Cristo Jesus. É a Esperança da Vida Eterna: uma ponte para esta Vida sobre a morte.
É incrível como o Natal de hoje é Tão Banalizado. Fico pasmo diante desta Cegueira Absurda mundo afora. O espírito Natalino é tão bom... Muito antigamente sentia-se intenso o clima de Natal no ar; era algo ímpar do mês de dezembro, apesar de que deveria ser válido ao ano todo, porém, de qualquer forma, a magia se instalava. Agora essa Graça quase se perdera e tenho saudades da Tradição do Presépio com os “sapatinhos” em sua base, à espera ansiosa das dádivas que hão de pousá-los; das expectativas infantis pelo amanhecer após a véspera, sobretudo, das mãos dadas numa singela Oração ao Salvador.
Natal é o protagonista da Paz Tão Desejada, a Paz do Senhor, que pode ser encontrada dentro de cada um de nós, mesmo em meio ao Caos, ao Tormento, à Turbulência externa, pois internamente onde Deus impera, tudo é Bonança e Calmaria: basta que O aceitemos como Senhor de nossas atitudes e pensamentos, de nosso destino. Natal é Reflexão e União, isto é: como anda a Família? Qual o contexto hoje do mundo em que vivemos? Para aonde caminha a humanidade? O que está por vir? Uma verdade: o Caos se instalou entre nós; há uma luta ferrenha invisível, espiritual, entre Anjos e demônios; algo inimaginável e lamentável, pois a Batalha não é contra os homens e sim contra o fogo do inferno.
Natal é Perdão, Reconciliação com Deus e entre nós mesmos. Enquanto terrestres, nunca é tarde para Perdoar, quesito este para se alcançar o Reino do Céu, segundo Cristo: “não somente sete vezes, mas setenta vezes sete” (Mt 18, 22); “se não perdoardes teu irmão, vosso Pai que está no Céu tampouco vos perdoará” (Mt 6, 15). Portanto, vivamos o Natal conscientes da sua Importância e Seriedade. Festejemos sim, sobretudo, Oremos por um minuto sequer em Honra ao Soberano Aniversariante, visto que Ele é a razão da festa.
Alcebíades Júnior – 05/12/2018

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

SEPULCROS CAIADOS (MT 23, 27)

SEPULCROS CAIADOS (MT 23, 27)
Falsidade
Lobo Vestido de Cordeiro
Vê Cara, Não Vê Coração
Falso Profeta
Disfarçado em Anjo de Luz
Mentiroso
Belo por Fora, Feio por Dentro
Sem Conteúdo, Só Casca
Julga o Livro pela Capa
Vive Só de Aparências
Ditadura da Beleza
Inversão de Valores
Materialismo
Narcisismo
Glamour
Hipocrisia 
Qual destes sepulcros melhor lhe assemelha? Se nenhum, menos mal, visto que o mundo encontra-se Repleto deles: esculturais, pomposos, ocos, vazios. Vivos por fora, mortos por dentro; belos mortais, graça fatal, prestarão contas no Juízo Final, do seu interior que nada fez contra o mal: mal do próximo, mal da terra, mal da vida afinal. 
Matéria exaltada, ostentada; gratidão, partilha, solidariedade, quase nada. Rico, formoso Planeta, e até quando? Humanidade fútil e inconsequente, sempre assim, até que nisto Cristo ponha um fim. 
Alcebíades Júnior – 02/10/2018

TOCAMOS A FLAUTA E NÃO DANÇAIS, CANTAMOS UMA LAMENTAÇÃO E NÃO CHORAIS (MT 11, 17)


TOCAMOS A FLAUTA E NÃO DANÇAIS, CANTAMOS UMA LAMENTAÇÃO E NÃO CHORAIS (MT 11, 17) 
Deus se faz ver e ouvir de todas as formas. Planta-se a semente mesmo em terra árida na tentativa de adubá-la, cultivá-la, torná-la fértil e produtiva. Mostra os sinais, os prodígios, o que há por vir, o que é o certo ou o errado, o profano ou o Sagrado. 
O mundo indiferente, surdo, cego e mudo ao óbvio das promessas da Sagrada Escritura, às Verdades do Espírito Santo, à idoneidade da Igreja. É, a humanidade está sempre no caos: primeira e segunda guerra mundiais, a bomba sobre Hiroshima e Nagasaki, o atentado de onze de setembro; ora, nunca foi diferente desde os primórdios da era do Gênesis, quando Caim tentou contra Abel. 
Que novidade é o caótico mundano? Quando é que a raça humana dançou conforme a música? Jamais houve tempo de Paz na realidade, a Esperança com a mesma espera de sempre, irredutível, valente, imutável; ainda bem, mas será deveras assim até o final dos tempos? Logo, a esperança só poderia ser certamente Divina, duradoura. 
Tudo se passa despercebido tal qual correria do dia a dia, o belo invisível dá lugar ao supérfluo encardido; o simples, ordenado e natural não é mais do que o manipulado, extravagante e superficial; então, a música nunca mais tocou, pois não há quem a cantasse, quem a animasse. 
Alcebíades Júnior – 26/09/2018

UMA FLOR NO DESERTO


UMA FLOR NO DESERTO

Dentre tantas amarguras que a vida nos traz
Podemos nos dar o direito de deleitar àquelas singelas palavras
Que tanto nos confortam, consolam, aliviam,
E nos fazem esquecer, nem que seja por um só momento,
Das dores que insistem em roubar a alegria de viver.

Há uma rosa entre os espinhos
Há um paraíso no meio do deserto
Afinal, nem tudo nessa vida faz-se árido
E nas pedras do caminho
Eis que nasce uma flor.

E dessa flor, a alma apaixona-se,
Enaltece, leva ao ápice do seu Espírito,
E por não mais caber dentro de si
Transborda espalhando Amor
E suspiro aos corações.

Recordações, saudades, fantasias...
Seja lá o nome que queira dar
É um bálsamo às feridas do nosso ser
E assim seguimos num enlace
De versos e prosas, com a palavra, Poesia.

Alcebíades Júnior – 07/08/2018

sábado, 23 de dezembro de 2017

NASCIMENTO À RESSURREIÇÃO EM CRISTO JESUS



NASCIMENTO À RESSURREIÇÃO EM CRISTO JESUS

E Deus disse: Faça-se a Luz; e a Luz foi feita, e nunca mais se apagou. Entra ano, sai ano, essa mesma Luz da Criação renova-se ao esplendor da claridade em prol vital de Sua Obra Prima, Imagem e Semelhança.
No princípio, a Luz de Deus Pai Criador; meio, a Luz de Deus Filho Salvador; fim, a Luz de Deus Espírito Santo Santificador; depois, a Vida Eterna. Eis aí o sentido do Natal: do princípio ao fim, uma Linda História de Amor entre Deus e os homens.
Cada Natal, memória e renovação da Saga Divina, repleta de Fiéis Promessas e Vitoriosa Esperança, imutáveis, inabaláveis, infalíveis, Daquele que É num instante que nunca passa. Cada Natal, símbolo da Onipotência Majestade, sinalizando para a morte uma ponte para a vida.
Natal é Família, união, partilha; é nascer de novo, em Espírito e em Verdade: eis que morre o homem velho e ressurge o homem novo, aquele que vive da Espiritualidade e busca as coisas do Alto; é Oração. Natal, um divisor de tempos, onde o Novo é expectativa positiva por demais esperançosa, sobre o Velho que se foi para Jamais voltar.
Vivemos, vencemos, celebramos, agradecemos, por fim até decepcionamo-nos; todavia passou, encerrou. Agora, à espera de um glorioso amanhecer ao alívio das dores, e que seja gentil e generoso o ano que está por vir. A nossa casa, a nossa família é onde tudo começa, logo, espalha-se aos demais, suscitando assim a Honrosa Caridade num clima Natalino solidário e envolvente.
A Paz tão sonhada em tempos progressivamente Trágicos existe, pois está subentendida à Promessa Redentora do Natal. Portanto, após tamanha provação virá a Bonança, cumprindo-se em definitivo a Garantia de vitória dos Benditos de Seu Pai. Natal, Nascimento à Ressurreição em Cristo Jesus. 19/12/2017.

RENASCER PARA O AMOR



“RENASCER PARA O AMOR”

Amor... Qualidade de sentimento Maior por seu Legítimo e Idôneo significado à essência do Altíssimo denominado Deus. Não ao acaso, pois o verdadeiro Amor não se faz assim “de repente”, não... Ele emana de seu Criador, ele é Transcendente e Propositalmente exalado. Tudo passa; só o Amor permanece.

Nessa sublime permanência, o Senhor convida-nos, sem cessar, a Renascer em Espírito e em Verdade, por Ele, pelo Amor que Lhe identifica, a fim de que sejamos Renovados e Benditos à Vida Eterna, ao banquete de Glória no final dos tempos. Renascer em nome do Amor, tal é o desígnio da Santíssima Trindade em prol do Bem Divino Supremo por toda a eternidade.

O Amor está em vista da Obra Prima, para que se mesclassem e encontrassem os braços do Pai num constante ato de Renovação à Perfeição: “Sedes perfeitos, assim como vosso Pai é Perfeito”, pois Deus é Amor, isto é, a própria Perfeição. O mundo desconhece do Amor e encontra-se muito longe deste Aperfeiçoamento; tudo porque não se olha para Deus e só o que se vê são vazios encantamentos.
19/12/2017.